Design Gráfico Mónica Santos

Oro8orO (2009)

Fotos


Nos arredores da longínqua Cidade de Epidauro, ergue-se a Clepsidra, propriedade de Lady Mandalay. Aí reside Enola, uma jovem prostituta obrigada a desposar o silêncio, para que os mais profundos segredos dos seus peculiares clientes nunca sejam revelados. No interior da circular Clepsidra, dois amantes vivem uma trágica e terrível história de amor. Enola observa esta amorosa desventura e presencia um hediondo crime, do qual nunca poderá ser testemunha.

Oro8orO é um texto dramático livremente inspirado no universo literário da Arte Sequencial, onde a fábula e o fantástico adquirem uma actualidade temática surpreendente, abrindo a porta para a criação de um espectáculo multidisciplinar.
As personagens pertencem a um outro tempo, um “tempo” geográfico. Um lugar que não é passado nem futuro, um lugar que pertence ao intemporal presente da condição humana.


Encenação

““Para medir um círculo começa-se num ponto qualquer”, afirmou Charles Fort. Assim é com o teatro. Pode-se começar a concepção, ou análise, de um espectáculo por qualquer ponto, seja ele a luminotécnia, a sonoplastia, os actores, ou mesmo a cenografia. Em Oro8orO, esse ponto foi fornecido pelo cruzamento de vários personagens de contos e de banda desenhada. Daqui, se traçou a primeira linha. Como um círculo construiu-se, então, traço a traço a cena, a unidade do espectáculo.

Uma sucessão de traços, rectas tangentes que formam na aparente forma circular.
Cada uma imprime uma nova direcção, uma renovada leitura do todo. Então, quando o círculo se fecha, recomeça-se. Limam-se arestas, traçam-se novas linhas, sempre com o objectivo de se voltar a poder recomeçar de um ponto que, já não sendo o mesmo, foi aquele por onde se começou. E é assim que, ensaio a ensaio, sol a sol, lua a lua, se construiu esta arena, metáfora de vida. Mas não confiem nas imagens, nem nas palavras ditas. Este é o círculo onde tudo se sacrifica. Por muito que o movimento seja perpétuo, tal como e onde começou, terá que terminar. O teatro não passa de uma mandala ao vento.” Eduardo Dias


Ficha Artística e Técnica

Texto e Encenação: Eduardo Dias | Dramaturgia e Design Gráfico: Mónica Santos | Banda sonora original: Bruno Moraes | Interpretação: Eduardo Dias, Graziela Dias, José Lobo e Sara Costa | Caracterização: Eduardo Dias | Figurinos: Zé Nova | Marionetas e Adereços: Pedro Leal e Ricardo Mondim | Direcção Artística, de Actores, de Cena e Desenho de luz: José Maria Dias | Direcção de produção: Mónica Santos | Produção executiva: Anita Vilar | Execução cenográfica: Júlio Mendão e Nuno Pires| Execução de Guarda-roupa: Zé Nova e Gertrudes Félix | Montagem: Hugo Moreira e Mário Pereira | Frente Casa: Anita Vilar e Madalena Fialho | Vídeo/Realização e Montagem: Eduardo Dias e Mónica Santos | Captação de Imagem: Leonardo Silva | Direcção de Fotografia e operação: Mónica Santos | Participação Especial: Sara Belo | Figuração Especial: Fernando Guerreiro, José Maria Dias e Mónica Santos