Farsa Chamada o “Auto da Índia” (2019)

A primeira farsa de Gil Vicente foi também uma das primeiras peças da Península Ibérica a apresentar uma intriga, em vez de um monólogo representado por um actor, como era uso nas cortes palacianas. O tema tem como pano de fundo os descobrimentos e as suas consequências sociais. Filipe Crawford encena assim “Auto da Índia”, tentando ser fiel ao espírito do original, pretendendo situar a peça na sua época e a representação no contexto do teatro das cortes no final da Idade Média, inspirando-se até em “Decameron” de Pasolini, a partir de Boccaccio. Realça-se a farsa, e através de uma história cómica, todas as personagens são criticadas e ridicularizadas.

Este espectáculo é adaptável a espaços interiores e exteriores.

Fotografias de Ensaio

Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares Fotografias Pedro Soares
<
>
Fotografias Pedro Soares


Texto: Gil Vicente | Encenação: Filipe Crawford | Assistência de Encenação e Desenho de Luz: José Maria Dias | Interpretação: Carina Sobrinho, Carlos Pereira, Eduardo Dias, Graça Ochoa e Henrique Gomes | Cenografia e Imagem: José M. Castanheira | Figurinos: Maria Luís | Sonoplastia: Emídio Buchinho | Música: Eduardo Dias | Fotografia e Vídeo: Leonardo Silva | Design de Comunicação: Flávia Rodrigues Piątkiewicz | Execução de Figurinos: Gertrudes Félix | Produção: Graziela Dias e Patrícia Pereira Paixão | Patrocínio: PFML – Fabrico de Peças em Plástico Reforçado E Metálicas, Lda
Agradecimentos: Albano Almeida e Levi Martins
67ª Produção do Teatro Estúdio Fontenova

Estrutura Financiada por: República Portuguesa – Cultura / DGARTES – Direcção-Geral das Artes e Câmara Municipal de Setúbal
Duração: ’50 min.
Classificação: m/ 12


auto india pré cartaz